Dynamo e Loony Johnson eletrizam público e encerram em grande a 27ª do Festival de Santa Maria

Dynamo e Loony Johnson eletrizaram o público e encerram com muita vibração o segundo e último dia da XXVII edição do Festival da Praia de Santa Maria, que decorreu sob o lema “Com Bandeira Azul cuidamos do Sal”.

Festival de Santa Maria

Festival de Santa Maria

A XXVII edição do Festival da Praia de Santa Maria, em celebração do Dia do Município que se assinala a 15 de setembro e da Nossa Senhora das Dores, santa padroeira, foi o ponto alto do programa que termina “em grande”, com Dynamo e Loony Johnson, antecedidos de Gentleman e Bulimundo, a sacudirem o areal da praia da cidade turística.

 

O ambiente fervilhou até por volta do meio-dia, debaixo de um sol ardente, mas o público que dava visivelmente sinais de cansaço, sacudindo e gritando por mais, resistia à “explosão” provocada por Dynamo, seguido de Loony Johnson, que faz o pano cair sobre as festas do Município e de Nossa Senhora das Dores.

 

O mitigo agrupamento musical da ilha de Santiago, “Bulimundo”, que pela primeira vez pisa os palcos deste festival, transbordou as expetativas fazendo o público mexer ao som do funaná, depois de ter pulado “QB” ao ritmo do reggae de Gentleman, e ao som do carnaval, da Tralha Carnavalesca –  músicas de carnaval de grupos locais -, que também fizeram a sua estreia neste festival.

 

Dono de uma voz excecional, o português Paulo Gonzo deixou Santa Maria também rendida à sua música e presença em palco.

 

Os coletivos denominados “Veterância”, espaço destinado aos artistas seniores que deram ao longo da sua vida um “importante” contributo para a música cabo-verdiana, formada por Maninho Almeida, Nhelas Spencer, Panota, Paton e Nelson Delgado, “Ilha Onze”, dedicado à diáspora, com a participação de vários artistas, designadamente Leonel Almeida, Jaqueline Fortes, Dany Silva, Diva Barros, e Jenifer Solidade, os cantores de Rap, Golp d’ Letra” e Young PC, animaram também o segundo e último dia do espectáculo musical.

 

Porém, o Festival da Praia Santa Maria não foi só música, pois, do outro lado do palco as barracas de comes e bebes pululavam de gente à procura de uma cervejinha fresca, petiscos ou uma boa conversa.

 

Contactado a Polícia Nacional, a Proteção Civil, a Cruz Vermelha, pelo menos até perto do final do certame musical, nada havia acontecido de anormal, o que indica que se festejou com civismo.

 

E assim termina mais uma edição do Festival da Praia de Santa Maria, com o público a dar nota alta à organização.

SAPO c/Inforpress